SL Benfica vs FC Porto: o futebol já não é momento (uma visão estratégica)

Em dia de “clássico” nada melhor que fazer uma breve análise e comparação à estratégia de SL Benfica e FC Porto, ao longo da temporada 2015/16 e de alguns temas que considero importantes para a vida dos clubes. Independentemente do resultado que possa acontecer esta noite, para mim o futebol de hoje não é momento. Esta expressão muito utilizada poderá revelar aquilo que acontece no terreno de jogo, mas não descreve minimamente a importância de tudo aquilo que interfere e tem influência nosucesso de um clube e de uma equipa. Como diz o título do livro de Ferran Soriano (hoje CEO do Manchester City), a bola não entra por acaso.

FC Porto vs Benfica Lisbon
Marcano (que estará ausente e Samaris)

Para tornar este exercício de opinião mais interessante irei atribuir pontos, às componentes em análise. (0 a 10)

A estratégia

SL Benfica 7 – o SL Benfica optou, esta temporada, por uma reorientação da sua estratégia, ao nível da sua equipa de futebol. Pelos media, circulou a ideia de que esta estratégia resulta da necessidade de criar uma sustentabilidade económica no clube. À parte disso, o que importa referir é que o SL Benfica “deixou cair” Jorge Jesus (num processo que abordarei mais à frente), e optou por Rui Vitória, treinador com provas dadas em todos os clubes por onde passou e com conhecimento de causa da formação dos encarnados (foi treinador dos juniores). A estratégia passa, então, por segurar alguns dos jogadores mais experientes e lançar jovens da formação do clube. O clube mantém-se também atento ao mercado do leste Europeu, nomeadamente a sérvia. A estratégia depois de um início titubeante, parece estar a dar frutos, com o surpreendente Renato Sanches a ser a bandeira deste novo projeto.

FC Porto 4 – para enfrentar esta temporada, o FC Porto optou por manter Julen Lopetegui, que nada ganhou na época transata e procurou substituir as enormes baixas no seu plantel por nomes reconhecidos no mercado como: Iker Casillas, Maxi Pereira, Pablo Osvaldo, ou o caríssimo Giannelli Imbula. Foram também contratados alguns valores nacionais a despontar: André André (um regresso) e Danilo Pereira. Ao contrário da estratégia que durante anos deu frutos nos Dragões, a aposta em jovens valores do mercado sul-americano foi substituída pela contratação de jogadores mais velhos e mais experientes, que auferem salários altíssimos. Fica a ideia de um FC Porto mais internacional, com mais nome, mais caro. Os media foram claros em nomear o FC Porto favorito, numa estratégia considerada de “curto prazo”. A aposta tem dado mau resultado. Lopetegui já saiu, Osvaldo já partiu, Cissokho mal entrou, a promessa Imbula não se afirmou e os cofres do clube irão sofrer com isso. A chegada de José Peseiro e demora na substituição Lopetegui denunciam hesitação. A estratégia voltará a mudar. É quase certo.

O mercado e as contratações

SL Benfica 3:  Taarabt. Um nome caríssimo que só deixará lembranças pelo seu peso, incursões noturnas e um penálti (surreal) não marcado pela equipa B. Este foi o maior falhanço do SL Benfica. Jiménez, o reforço mais caro de sempre do clube, pareceu mais uma manobra para gerir impressões do que uma solução. Mitroglou tem demonstrado a sua utilidade. Carcela e Bilal não se afirmaram. A chegada de Grimaldo, vindo de Barcelona, carece de tempo para análise. A saída de Lima deixou marcas no início de época, tal como a saída de Jesus para o Sporting. Rui Vitória parece agora o “homem para o lugar”. Não foi pela sua intervenção no mercado que o SL Benfica está a lutar pelo título. O “golpe” Carrilo é uma boa resposta ao Sporting pela partida de Jesus. A continuidade de Gaitán vejo-a como essencial.

FC Porto 5: Danilo Pereira, Maxi Pereira, Layún, Corona e em especial André André têm sido interessantes soluções para os azuis e brancos. No entanto, não posso deixar de lado, como já referi, os nomes de Imbula, Osvaldo e Cissokho. Casillas, que criou uma onda de excitação no Dragão, oscila entre o bom e o mau. Não traz segurança e já custou pontos aos Dragões, ao mesmo tempo que evitou um embaraço frente ao Tondela. Em janeiro chegaram Suk, Marega e José Sá. A política de contratações dos Dragões é irregular, inconstante e parece revelar pouco peso da estrutura de scouting na tomada de decisões. A influência dos fundos de investimento pode explicar o facto. A ausência de jogadores experientes sintonizados com a identidade do clube é de estranhar. Como exemplo, sublinho a importância do regresso de Lucho González para um dos títulos de Vítor Pereira. Esta época, relembra-me o ano de 2005. Importa aqui salientar, o reconhecer do erro nas contratações de Verão e o valor obtido na venda de Imbula. As coisas voltarão a ser o que eram.

A pré-temporada

SL Benfica 3 : O SL Benfica fez uma péssima pré-temporada. A ida aos Estados Unidos e México, a transferência de Jesus para o Sporting e a subsequente má gestão da comunicação do processo (Luís Filipe Vieira demorou a responder), aliada aos fracos resultados na pré-temporada e início de campeonato deixaram o clube quase arredado do título e Rui Vitória em maus lençóis. O SL Benfica está a beneficiar da quebra dos rivais, senão nem 11 vitórias consecutivas trariam outro ânimo.

FC Porto 7: A pré-temporada foi excitante para os Dragões. Resultados interessantes, racionalidade no cancelamento da digressão americana e a chegada de Casillas criaram condições para um balão de oxigénio para Lopetegui, que só foi apagado pelo futebol sem sabor e pela derrota caseira com o Kiev. Questão? Lopetegui devia ter começado a época? Não. No entanto, na pré-época, a serenidade foi tal, que a questão mais premente era a cor castanha do equipamento alternativo: demasiado chocolate, de facto.

Marca, imagem e  reputação

SL Benfica 7 : Apesar do episódio dos vouchers e camisolas oferecidas aos árbitros, em resultado da queixa do Sporting, que mancha de certo modo a imagem do clube, a gestão da imagem pelo clube foi relativamente bem feita. Apesar de discordar da relevância dada ao seu responsável de comunicação, em guerra pública com Bruno de Carvalho, O SL Benfica é o clube que parece estar a gerir melhor os relacionamentos com públicos-alvo chave:  boa relação com a Federação Portuguesa de Futebol e com Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem (que pareceu estar do lado dos encarnados no caso dos vouchers). Além do mais, o SL Benfica é o clube em Portugal, também pela sua dimensão e localização, que tira melhor partido da sua relação com a imprensa – recordo os recentes títulos da imprensa desportiva que diziam algo como “BENFICA É LÍDER” (ou já é líder, mesmo que empatado com o Sporting). A BTV sofrerá alterações na próxima temporada, fruto do milionário acordo com a NOS, no entanto a existência do canal foi uma importante arma negocial. O processo de venda dos direitos de transmissão televisiva dos seus jogos foi bem preparado, tal como o patrocínio do Emirates que oferece credibilidade e valoriza a marca. O processo a Jorge Jesus parece claramente exagerado.

FC Porto: 7: O FC Porto continua a ter uma grande exposição da sua marca a nível internacional. O clbe parece ter uma capacidade única para tirar partido dos relacionamentos com fundos de investimento e ser reconhecido como um ótimo clube para se comprar com qualidade. Os Dragões revelam ter capacidade para atrair nomes interessantes e fortes no mercado. A exposição da sua marca no México e na Colômbia, aliada ao projeto Dragon Force, dão visibilidade aos azuis e brancos fora de portas. Porém, a nível da gestão da sua imagem de curto prazo, as constantes hesitações na gestão da saída de Lopetegui, o silêncio a que se remeteu no caso “Conceição”, a pouca influência revelada na gestão da imagem de Lopetegui e na forma como este comunicava (sozinho e em mau tom), revelam algumas incongruências. Acrescento, a “vitória” azul e branca na eleição de Proença, e a guerra mais “velada” (em comparação com o Sporting) ao Conselho de Arbitragem de Vítor Pereira. De salientar, a dificuldade do clube em encontrar um patrocinador para as suas camisolas, que foi bem resolvida com a venda dos direitos de transmissão televisiva à MEO. O trabalho meritório feito ao nível do Porto Canal é de valorizar.

A estrutura

SL Benfica 8: A estrutura vs. Jorge Jesus. Foi este um dos temas da temporada. O SL Benfica tem já uma estrutura sólida e consolidada, ao longo da presidência de Luís Filipe Vieira. A reorientação estratégica parece estar a envolver todas as áreas do clube. O que se pode dizer é que há coerência. O aspeto mais negativo está relacionado com as contratações de alguns jogadores e gestão do caso Jesus.

 FC Porto 6,5: o FC Porto continua a ter uma das melhores estrutura profissionais em Portugal, ao qual estão ligados títulos nacionais e internacionais. A qualidade é inegável. Apesar disso, durante algumas fases da época pareceu existir uma falta de alinhamento estratégico entre as várias áreas do clube, em especial a relação entre a equipa técnica de Lopetegui (sobrevalorizada) e a restante estrutura do clube, cuja voz terá sido porventura negligenciada.

O treinador

SL Benfica 7,5: Luís Filipe Vieira escolheu Rui Vitória para o futuro que ele considera ser o melhor para o SL Benfica. Apesar do atribulado início, a confiança foi-lhe dada e este, depois de problemas claros em comunicar e em enfrentar os ataques de Jorge Jesus, parece ter conseguido a confiança dos adeptos, já que a confiança do presidente sempre a terá tido. Tem o perfil para a função que se lhe pede. Deve continuar no SL Benfica, a não ser que haja uma calamidade de resultados no clube. A passagem à fase seguinte na UEFA Champions League com uma vitória sobre o Atlético de Madrid foi extremamente importante.

FC Porto 3: Lopetegui não devia ter começado a época. Não se adaptou e a sua ideia de futebol deixa a desejar. Os tempos mudaram e o FC Porto precisa de um mentor para o seu futuro, talvez fosse isso que Pinto da Costa augurasse na continuidade de Lopetegui, mas falhou. A sua substituição foi complicada e deixou marcas. Independentemente do resultado de hoje, não vislumbro Peseiro como o treinador capaz de lançar as bases do FC Porto dos próximos 5 anos, ou da próxima década. As constantes declarações de Villas Boas não beneficiam o Dragão, numa futura decisão. O fantasma fica a pairar e a comunicação fica mais complicada de gerir, pois cria-se a expectativa, a ansiedade na mente de adeptos difíceis de satisfazer.

Os adeptos

SL Benfica 7: os adeptos do SL Benfica entusiasmam-se com mais facilidade e, acima de tudo, assobiam bem menos. Algumas exibições do SL Benfica deixaram a desejar e Rui Vitória conheceu tempos complicados, mas vivem-se tempos calmos para os lados da Luz.

FC Porto 5: o adepto do FC Porto tornou-se mais exigente na última década. Os títulos europeus, o posicionamento premium que o clube também fez passar, tornaram os adeptos menos pacientes e mais habituados a ganhar. Ganhar apenas deixou de ser critério. No Dragão passou a ser necessário ganhar, impressionar e jogar bem. Mourinho e Villas Boas foram as referências. Vítor Pereira ganhou muito e bem, mas sem deslumbrar e o adepto assobiou, contestou. Agora há uma sensação de injustiça, depois do treinador ter aparecido num programa de TV, a comunicar melhor, mais genuíno e mostrar o quanto sabe de futebol. Se não há paciência nas bancadas, passará pelo clube gerir este processo que tem em mãos. O futuro vai exigir paciência e apoio, muito apoio.

A liderança

SL Benfica 8: Ainda que considere que Luís Filipe Vieira poderia ter gerido melhor o dossier Jorge Jesus, a sua liderança é inquestionável no SL Benfica. O presidente encarnado só aparece quando é preciso. Para assuntos menos nobres, João Gabriel e até Rui Vieira da Silva fazem as honras da casa. Ao nível da equipa, Luísão tem estado arredado da equipa, mas o seu estatuto é inquestionável. Jonas, Gaitán Júlio César e Samaris são jogadores com caráter que trazem experiência ao clube da Luz.

FC Porto 5: Em ano de eleições, e com a extrema necessidade decidir bem, Jorge Nuno Pinto da Costa errou. Não é habitual, mas acontece. O presidente dos Dragões tem aparecido em público sempre que necessário, porém diria que noutros tempos foi mais incisivo. O FC Porto está mais adormecido. Coube a Lopetegui grande parte da contestação aos árbitros. No universo azul e branco há pouco espaço a crítica na opinião pública, só Miguel Sousa Tavares (com tudo o que tem de bom e de mau) se atreve a dizer aquilo que pensa. Espírito crítico construtivo e fundamentado aconselha-se – ajuda as organizações a evoluírem. Antero Henrique é uma figura de proa no Dragão, mas pareceu invulgarmente fragilizado esta temporada. No balneário, os episódios Maicon e Brahimi soam a sintoma. Quando a braçadeira de capitão vai parar ao braço de Herrera, creio que está tudo dito. Hélton é o capitão, mas joga pouco. Falta um líder, ou falta reconhecer que André André é o futuro líder.

Feitas as contas, relembro que esta pontuação é apenas um exercício mental puramente teórico, o SL Benfica soma 51,5 pontos em 80 (64,4%) e o FC Porto 42,5 em 80 (53,1 %).

Aquilo que pretendo transmitir é: mesmo que o que se passa no campo seja imprevisível, as condições de sucesso são maiores quando existe um alinhamento estratégico e maior coerência em todas as áreas que afetam a vida de um clube, e em especial, nas decisões que afetam transversalmente a organização e todos os seus colaboradores. Nesse processo, a comunicação tem um papel primordial.

 

 

imagem:

marcano_e_samaris_no_fc_porto_benfica3651cc0f.jpg

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s