O dia em que levantei dinheiro num icebergue

Já levantaram dinheiro numa câmara frigorífica? E num icebergue? Não? Imaginem o seguinte cenário: passam alguns minutos das 22h00 e acabaram de chegar ao Porto (ou a outro sítio qualquer) para tomar um café, ou quem sabe beber uma cerveja e reparam que precisam de levantar dinheiro. Até esse instante, em que apontam o cartão multibanco para abrir o espaço interior do banco, que é reservado às caixas multibanco, nada de mais acontece, aliás a temperatura está boa, recomenda-se, ainda é Verão.

Luz verde, a porta abre-se, e num segundo viajei de Portugal ao pólo Norte, fiquei mais gelado do que em 2004 quando a Grécia marcou o golo a Portugal. Com um casaco a servir de cachecol, em que o ar condicionado se transformou no abominável homem das neves, apressei-me a digitar o código antes que as articulações estalassem, ou que aparecessem os figurantes da Branca de Neve no Gelo. Resumindo, e respondendo à minha pergunta, eu já levantei dinheiro numa câmara frigorífica, como também já o terei feito numa verdadeira sauna finlandesa. iceberg-1381594.jpg

Como tenho a noção de que não foi a minha primeira vez, nem tão pouco a vossa, pondero sobre os motivos e o cenário é tudo menos bom. A situação menos grave é, a meu ver, o esquecimento: pode acontecer a todos e umas vezes não são vezes, porém não gostaria de ser eu a pagar o excesso na conta da luz do banco. Se não estava no máximo, estava quase e a noite ainda era uma criança. Seja como for, o cliente não gosta , o ambiente também não (quem paga a conta nunca irá saber, a não ser que leia este texto).

Mais grave é se a situação é intencional, por exemplo, para evitar que pessoas sem-abrigo se refugiem ou abriguem nesse espaço. Mesmo admitindo que possa não ser esta a intenção, o simples facto de me ter ocorrido criou em mim um tremendo desconforto e um claro sinal de que algo muito errado se está a passar. Se for o caso e o motivo ser o que mencionei, então trata-se de algo muito grave e desumano.

Quando usamos o ar condicionado da mesma forma que usamos repelente para insetos…(deixo ao vosso critério terminar este pensamento).

Seguramente que existem outras formas de contribuir para o evitar desta situação sem lesar o ambiente, a sociedade e o cliente. Quantas refeições seriam possíveis de oferecer, considerando apenas o valor do ar condicionado ligado durante toda a noite? Quanto custa isso? Já fizeram as contas? Quanto deste dinheiro gasto é que poderia ser dado a iniciativas de proteção ambiental ou até mesmo aos bombeiros?

Os bancos, tal como todos nós, têm o direito de zelar pela sua propriedade privada, como também têm o dever de zelar pela segurança do cliente, porém, se nenhuma destas situações for possível, desliguem as máquina e desativem o espaço à noite. É simples. Não façamos deste comportamento um padrão. Acrescento que minutos antes tentei efetuar o levantamento num espaço semelhante na Caixa Geral de Depósitos (mesmo ao lado) e a temperatura era a ambiente.

Diz-se  que uma imagem vale mais do mil palavras, pois uma experiência vale muito mais que mil imagens.

Importa sim perceber que olhar para os problemas sociais de forma isolada, procurando apenas evitá-los, é perder uma oportunidade para mudar, começando pelas pequenas coisas. É assim que se cria uma reputação, dia a dia, gesto a gesto, e é também nos pormenores que começamos a perdê-la, basta apenas uma má experiência.

PS – não tenho nada contra o uso do ar condicionado de forma apropriada, é apenas uma coincidência ter falado sobre isso no post anterior.

 

imagem: freeimages.com

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s